Contos Eróticos
 Corno
 Depois dos 50
 Estrupro
 Fetiches
 Gay
 Heterosexual
 Incestos
 Interraciais
 Lésbicas
 Orgias
 Sadomasoquismo
 Teens
 Travestis
 Virgens
 
Aumento Peniano - Tensordin.Net
Aumento Peniano Natural
 

Energérico Potenergic
 
Acompanhante de Luxo Meligue.Net
Acompanhantes de Luxo
   
Contos Eróticos de Heterosexual
Iniciação
Total de Visualizações: (109)
 
 
Iniciação

Quando criança morava em um bairro retirado e tinha como amigos e companheiros de escola o Rafael, o Barros, o Nelson e o Clovis, o mais velho e maior da turma era o Rafa. Para irmos à escola tínhamos que ir a pé por quase três quilômetros.

O caminho era uma trilha que passava por um terreno baldio cheio de mato, de todos, eu era o menor, mas por ser gordinho era o que tinha a maior bundinha, e por isso toda a vez que passávamos por esse terreno baldio parávamos para urinar, e quando abaixávamos os calções todos passavam a mão em minha bunda e a elogiava.

Eu achava normal e ate gostava da brincadeira, sentia-me o melhor de todos, o único que despertava atenção dos demais, ate que certa vez, começaram a esfregar os pintinhos também, eu achava graça e gostava de ser o único a ter esse privilégio, ser o mais querido da turma, e retribuía rebolando achando que não tinha maldade alguma nessa brincadeira.

Mas o tempo foi passando, as brincadeiras aumentando, eu gostando, não víamos a hora de chegarmos nesse local para brincarmos, ate que um dia o Rafa propôs enfiar o dedo no meu cuzinho. Na hora achei ruim, mas acabaram me convencendo e deixei, achei gostoso, aqueles dedinhos entrando e massageando minhas bordas me davam muito prazer e daí por diante todos enfiavam o dedo em mim e enquanto um enfiava o dedo o outro me dava o pau para eu chupar, eu gostava não via a hora de chegarmos para ser dedilhado e chupar o pau deles. Certo dia resolveram enfiar os pintinhos, que a essa altura já eram bem mais grosso que o dedo, retruquei querendo, e fui forçado a ficar de quatro e segurado por três deles enquanto o Rafa, lambuzava com saliva seu pau que já era de bom tamanho e enfiava no meu buraquinho devagarinho.

Doeu um pouco mas devido as dedilhadas já estava um pouco dilatado, gostei do que senti, e com eles me segurando não tive escolha, acabei recebendo a vara que abriu caminho para os demais, como gostei. Depois de todos terem me enrabado, fomos embora , eles me forçaram a não dizer nada para ninguém e que de agora em diante só colocariam os paus em minha bunda. Fiquei o resto do dia com o buraquinho doendo, mas achando gostoso o que eles fizeram e no outro dia já estava ansioso por aquele momento.

Na ida fui comido e chupei todos e ao sairmos da escola viemos correndo para o mato, para aproveitar melhor o tempo, e assim que chegamos tratei de tirar o calção e os outros com os pintinhos que já eram quase pintões mesmo, se posicionaram uns atrás, e outros na minha frente para eu chupar e um por vez, enfiava e socava, varias vezes.

Isso durou muito tempo, eles me comiam na ida e na volta, eu gostava, me deliciava. A casa do Rafa, que tinha o pau maior, era a que ficava mais proxima da minha e sempre que a vontade batia eu ia a casa dele com a desculpa de estudar, mas ele ao me ver batia na minha bunda e falava "veio istu dar" eu sorria, entrava e iamos ao seu quarto, ficávamos trancados e ai era só alegria, eu mamava aquele belo cacete e depois rebolava ate sentir o leitinho dentro de mim. Mas certo dia não trancou a porta e sua mãe entra e nos pega transando, eu com toda sua vara dentro do meu cu suspirava de gozo e bundava pedindo que ele enfiasse mais.

Na hora eu queria morrer de vergonha, mas ela foi compreensiva colocou-nos sentados na cama, e dirigindo-se principalmente a mim me alertou e me fez ver que era normal transar, mas que deveríamos ter cuidado e sempre nos prevenir-mos. Falou da forma de educação que deu aos seus filhos, aqui em casa andamos nus e transamos entre nós mesmos para não correr o risco de pegar doenças e apreendam que sexo é coisa natural do ser vivo, todos os animais fazem isso para procriar, só o ser humano carrega doença porque transa com todas as outras raças de animais. Depois desse sermão e orientação falou que das próximas vezes que eu fosse a sua casa, não seria necessário trancar a porta por que todos transam entre si e sabem que isso é coisa natural.

Depois dessa, fiquei muitos dias sem ir lá, ate que o Rafa me chamou, fui com uma vergonha danada, quando cheguei todos esperavam por mim na cozinha e fomos tomar café. Sr. Augusto pediu para o Rafa que me levasse ate o quarto para que eu pudesse deixar a tralha da escola e voltar para tomarmos café.

No começo é difícil ficar pelado na frente dos demais, mas como aqui todos andam nus logo me acostumei com a idéia e andava tambem. Depois de alguns meses eles se mudaram e por muito tempo ficamos sem contato, os outros garotos também cresceram se mudaram, foram trabalhar em outras cidades e nunca mais tivemos contato. Agora a pouco tempo atrás, reencontrei o Rafa na saída de um Shopping, veja “Meu amigo Rafael” eles voltaram a morar perto de minha casa. Eu já voltei a freqüentar sua casa e quando o Rafa não está, quem aproveita e o Augusto seu pai, que me mostra como se faz para dar o rabinho gostoso. Depois eu conto mais.
Autor: deuarosa
•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
Comentários
 
Perfumes Afrodisíacos Acompanhantes SP Loja de SexShop
Perfumes Afrodisíacos Fantasias Eróticas Loja SexShopClub
Contos Pornô